NOVIDADES
Loading...

ENTREVISTA COM DANI NOLDEN DA SHADOWSIDE


A banda brasileira Shadowside voltou ao Brasil após uma turnê europeia junto com o Helloween e o Gamma Ray, e nós da Helloween Brasil entrevistamos a vocalista Dani Nolden para saber como foram esses meses pela Europa com o Helloween


Entrevistador: Rod Lima

Nossa última entrevista foi em Dezembro de 2012, pouco depois de vocês anunciarem a turnê européia com o Helloween. Agora a turnê acabou e vocês estão de volta ao Brasil. A turnê foi tudo o que vocês estavam esperando?

Dani Nolden: Foi bem mais do que esperávamos! Fomos muito bem recebidos pelos europeus e não sabíamos muito bem como seria a reação dos fãs, uma vez que seríamos a primeira banda da noite, antes de Helloween e Gamma Ray, portanto apesar de já termos uma base de fãs na Europa, é claro que a grande maioria das pessoas estaria lá para ver as duas bandas e não nos conhecia. Portanto estávamos preparados para tudo e a recepção foi maravilhosa, não fomos tratados como a "banda de abertura", aquela que ninguém se interessa, o público estava sempre bem intenso e sempre fomos muito respeitados, tanto pelos fãs quanto pelas equipes e bandas. Voltamos muito felizes para o Brasil e com a sensação de termos realizado um trabalho importantíssimo tanto para nós mesmos quanto para o metal brasileiro.

O publico europeu recebeu a banda muito bem pelo que percebi através de resenhas e vídeos, tem algum show ou país que você gostaram mais do público?

Dani Nolden: Vários shows foram inesquecíveis, tanto lugares como já estivemos como Romênia e Hungria quanto os países que eram novidades para nós, como Bulgária, República Tcheca, Suécia. Na Polônia, por exemplo, sabíamos que o show teria uma energia incrível, porém os fãs realmente nos surpreenderam... não há posers na Polônia (risos). Até os seguranças eram headbangers. Eles nos acompanhavam com palmas quando pedíamos a interação do público, batiam cabeça durante o show, ninguém ficava parado, todo mundo curtia tudo intensamente. Fomos acolhidos na Suécia, especialmente em Gotemburgo, onde esperávamos um público contido, como costuma ser o público escandinavo, porém encontramos fãs gritando e cantando as músicas, nos recebendo como uma banda da cidade, provavelmente por termos gravado o álbum lá, com as participações especiais e produtor também da cidade. É difícil destacar apenas um. Tentamos fazer nosso "top 3" e cada dia adicionamos mais um lugar ao top 3 e quando percebemos já tínhamos um top 10 e não conseguíamos decidir a colocação, colocamos todo mundo empatado entre os 3 primeiros (risos).

Gostaria de saber como você se sentiram ao tocar no Olympia em Paris. Vendo por fotos já parece um lugar sensacional.

Dani Nolden: Realmente é. Parece um lugar com vida própria. É uma casa fundada em 1888 por onde já passaram artistas como os Beatles, Janis Joplin e os brasileiros Tom Jobim e Elis Regina... fomos a primeira banda de metal brasileira a tocar no palco do Olympia, o que tornou a ocasião ainda mais especial, foi uma verdadeira honra pisar nesse palco. A estrutura do local é impressionante e o público foi incrível, o que fechou a noite com chave de ouro. Fomos muito bem recebidos pelos franceses, eles agitaram do começo ao fim e pudemos perceber um número bem impressionante de pessoas cantando as músicas. Não esperávamos isso pois nunca havíamos tocado na França, foi um dos melhores shows da turnê.


Acompanhando as atualizações que vocês davam pelo Facebook sobre as viagens em alguns momentos vocês relatavam algumas dificuldades e até um episódio de "propina". Como era estar no ônibus viajando pela Europa e passando por tudo isso?

Dani Nolden: A propina que o policial desistiu de pedir (risos)! Logo que entramos na Bósnia-Herzegovina, um policial nos parou e ele queria dinheiro. Não sabíamos pra quê. Ele não disse pra quê, só disse que queria o dinheiro, não lembro a quantia agora, mas algo em torno de 30 ou 40 euros. Entramos em desespero e tentamos pagar a propina, começamos a conversar entre nós tentando juntar o dinheiro, pois ninguém tinha tudo que ele queria. Acabou que ele viu que estávamos tão mal de grana quanto ele e ele desistiu, nos mandou embora (risos). Outros nos mandavam embora quando descobriam que não falávamos o idioma local. Sempre passamos por situações complicadas, difíceis, como a estrada na Albânia que simplesmente não tinha condições de tráfego, o que tornou uma viagem de 300km em um martírio de 12 horas, deixando nosso veículo acabado. Temos o conforto de ter camas e cortinas, portanto podemos descansar durante as viagens, mas não é tão simples quanto parece pois em viagens longas assim, ninguém aguenta ficar deitado o tempo todo, queremos andar, nos movimentarmos e não é possível. Não é possível nem ao menos ficar em pé porque não temos espaço, já que carregamos todo o equipamento dentro do veículo. É uma aventura. Não é uma vidinha muito fácil. Muita gente desiste... muito músico talentoso decide que não quer mais fazer turnês porque realmente não é fácil suportar 2 meses sem saber o que é uma casa.

Vocês encararam algumas temperaturas muito baixas e a Dani teve uma inflamação na garganta durante a turnê. Isso atrapalha de alguma maneira o show?

Dani Nolden: Sim, claro. Não as temperaturas baixas, já que dentro das casas normalmente é quente, com aquecimento, mas qualquer membro da banda adoecendo no meio da turnê é uma complicação. Porém se um guitarrista pega uma gripe, o show continua... para uma vocalista, isso pode se tornar uma situação delicada. Eu já saí do Brasil doente. Saí daqui com um resfriado forte e a garganta inflamada. Na Europa, durante os shows e sem descanso, isso evoluiu para uma infecção nas amigdalas e faringe que me forçaram a ir ao hospital antes do show em Milão, na Itália. Eu estava fazendo os shows na base do sacrifício até esse dia, porque estava doendo bastante, mas eu decidi que não cancelaria shows a menos que não estivesse em condições, se não pudesse entregar uma performance decente ou se pudesse prejudicar minha carreira. Em Milão, comecei a sentir dificuldade para engolir água, mesmo tomando medicamentos, e decidi ir ao médico. Fui muito bem atendida, passei a tomar a medicação correta e no dia seguinte já quase não sentia dores. Durante uma turnê, você precisa conseguir resolver os problemas rápido, sejam eles qual forem. É necessário ter equipamento reserva no caso de problemas... e no caso de saúde, não adianta dar uma de valente e querer seguir em frente sem ajuda médica. É preciso procurar ajuda ao primeiro sinal de alguma doença para evitar que o problema se agrave e um cancelamento se faça necessário. Evitar doenças também faz parte dos cuidados necessários de uma turnê longa, portanto dormir bem e ficar longe de festas fazia parte da minha rotina.


Vocês tiveram muitos momentos de descontração com o pessoal do Helloween e do Gamma Ray?

Dani Nolden: Sim, eles são muito tranquilos. Não havia muito tempo para conversas longas, pois quando estávamos livres, eles estavam nos seus soundchecks e vice-versa, os dias em uma turnê são corridos, mas o clima era muito amigável todo o tempo. Quando nos encontrávamos no catering, que é onde as bandas comem, sempre batíamos um papo, eles sempre nos faziam perguntas sobre o Brasil, apesar de eles já terem estado por aqui várias vezes, faziam perguntas sobre a banda, sobre as nossas vidas, brincavam bastante conosco fazendo piadas. Lidar com eles foi muito fácil, eles tornaram o ambiente bem leve o tempo todo.

Em nossa última entrevista você disseram que um novo álbum provavelmente começaria a ser gravado no final de 2013 ou início de 2014. O planejamento continua o mesmo?

Dani Nolden: Mais ou menos, pois descobrimos que o ciclo do Inner Monster Out ainda não está fechado. Ainda temos mais alguns shows a fazer pelo Brasil, como em São Paulo, pela primeira vez como headliners, dia 26 de maio, na Via Marquês, onde teremos a oportunidade de fazer, pela primeira vez, um show com a produção do mesmo nível que fazemos na Europa. Tocaremos músicas que não tocamos há anos, além de várias músicas do Inner Monster Out, faremos uma jam com os nossos amigos do Suprema que estarão tocando antes de nós no evento. Também temos uma apresentação marcada em Manaus, além de outros shows sendo agendados pelo país. Talvez façamos algo nos Estados Unidos, ainda não é certeza. Porém devemos começar a trabalhar no novo álbum ainda este ano, de qualquer forma. Acredito que começaremos a gravá-lo no meio de 2014.


Obrigado por mais uma entrevista e parabéns pela turnê com o Helloween e o Gamma Ray. Desejam dar algum recado para os fãs da Shadowside?

Dani Nolden: Muito obrigada pelo apoio, espero vê-los em algum show pelo Brasil! Como sempre, estaremos após o show dizendo olá a todos, portanto compareçam e venham conferir como ficaram os shows após a turnê. Obrigada pelo espaço da Helloween Brasil, abraços a todos!

0 comentários:

Postar um comentário